RM2: Blue Öyster Cult, GosT, CKY

Bom momento, caros Amibos! Vamos a mais uma rodada de Recomendação Musical!

Tem alguma sugestão para eu ouvir e escrever aqui no Super Amibos? Deixe nos comentários!

O CLÁSSICO: BLUE ÖYSTER CULT – CULTÖSAURUS ERECTUS

O Blue Öyster Cult é uma grande banda muito pouco reconhecida. Eles são dinossauros do Rock (começaram em 1967 com o nome Soft White Underbelly) mais velhos até mesmo que Led Zeppelin, Deep Purple ou Black Sabbath! Eles passaram por todos os momentos do Rock, e trazendo a sonoridade única da banda em cada época. Nos primeiros álbuns nos anos 70 o som era um Hard Rock clássico direto ao ponto. Nos anos 80, os teclados roubam a cena, já que na época os sintetizadores e sons mecânicos estavam em alta. Embora menos proeminentes, nos anos 90 tomou até uns passos para o Heavy Metal com o Heaven Forbid (1998).
Embora o disco seguinte Fire of Unknown Origin de 1981 seja o mais famoso e conta com o clássico Burnin’ For You, hoje vou falar sobre o álbum Cultösaurus Erectus lançado em 1980. Se você é gamer das antigas talvez reconheça a capa do álbum, pois ela foi usada no jogo Ork, de 1990 para Amiga. Vou pedir por gentileza que deem play no vídeo acima. Black Blade, a faixa de abertura é uma explosão no ouvido. Como falei na outra coluna, sou baterista, então sou aficcionado por ritmos complexos. O ostinato no meio da música em tempo quebrado me dá tremedeiras orgásmicas… A letra dessa, e outras músicas da banda, foram co-cmopostas pelo Michael Moorcock escritor de Ficção que é altamente influenciada pelo Robert E Howard (autor do Conan).
O resto do álbum tem baitas clássicos como Monsters, Divine WindUnknown Tongue. Vale a pena umas 500 ouvidas 😉

O SATÂNICO: GOST – BEHEMOTH

Embora a capa seja extremamente trevosa e conte com uma cruz invertida, embora o nome seja quase uma infração de copyright do banda Ghost, EMBORA o nome do álbum seja Behemoth, uma criatura primeva demoniaca hebreia, esse álbum não é de Heavy Metal. Ao menos não na teoria. GosT é uma artista independente de música eletrônica do subgênero slasherwave que lembra bastante Perturbator ou o Moon (trilha sonora de Hotline Miami), só que bem mais pesada. As músicas são construídas de uma forma a fazer os sintetizadores perfurarem seu crânio e entrar no seu cérebro como um incomodo agradável bizarro. Destaco a última faixa, homônima ao álbum, que é Heavy Metal puro.

O NOSTÁLGICO: CKY – VOLUME 1

Arrisco dizer que, quase todo mundo que jogou videogame nos anos 2000 conhece a primeira música desse álbum. 96 Quite Bitter Beigns era uma das músicas mais marcantes da trilha sonora do Tony Hawk Pro Skater 3, e tocava no vídeozin de finalização do Bam Margera. Inclusive, o irmão do Bam, Jess Margera é o baixista do CKY, que é uma abreviação para um nome bem idiota: Camp Kill Yourself.
Embora depois disso a banda tenha feito virtualmente nenhum sucesso, na época de Napster e Kazaas da vida eu baixei esse álbum aos trancos e barrancos comprei o cdzin de forma honesta e devo dizer que até hoje ele é incrível. Tanto na questão de melodias, quanto no peso e na sujeira das músicas, como na variedade de estilos que eles trazem no álbum. Além da faixa de abertura, totalmente clássica, recomendo em especial Rio BravoThe Human Drive In Hi-Fi. Bom para se ouvir num dia chuvoso.

É isso galerinha, outro dia temos mais recomendações musicais!

Tweet about this on TwitterShare on FacebookShare on Google+Email this to someone