Super Amibos 37 – Smoke Nintendo Everyday

bill… biLL…bILL..BILL!!!!

Tá dormindo Bill!? Já está no ar o Super Amibos dessa semana rapaz, com tudo sobre a primeira Nintendo Direct sem o queridíssimo Satoru Iwata, que serviu para mostrar que o 3DS e o Wii U ainda estão vivos e respirando (ou não). Será que Reggie Fils-Aime e Bill Trinen deram conta do recado?

Além disso, discutimos a mais nova empreitada canabilística de Snoop Dogg e a incursão nos games do diretor JJ Abrams!

DOWNLOAD DO PODCAST

Feeds

Assine os nossos feeds pelo iTunes ou seu agregador favorito!

Instale nossos Apps!

googleplay logo MS store logo.fw

Contato

Você pode enviar um e-mail para superamibos@gmail.com ou nos fazer perguntas no ask.fm/superamibos

Links

Participantes

Tweet about this on TwitterShare on FacebookShare on Google+Email this to someone
  • Eu assino o Kindle Unlimited, pois tem muitos livros que utilizo na faculdade de graça. Muito bom!

    Quanto ao Guerra dos Consoles, tem versão digital em português sim!

    Link: https://play.google.com/store/books/details?id=-GdzCgAAQBAJ

    • Vi que está na Amazon também, valeu a dica!

  • Lukas Tavares

    “Certeza Absoluta…”

    O Wii U foi a anunciado na E3 2011 e lançado em Novembro de 2012…

    https://www.youtube.com/watch?v=KEMz4ZieCwM

    • Valeu a correção! o/

    • Carlos Eduardo Galvani Nascime

      E que todo mundo achou que ia ser mais uma feature do Wii, e não um console novo 😛

    • Carlos Eduardo Galvani Nascime

      E eu ainda acho que lançar um console no meio da geração vai ser um tiro no pé absurdo. Só se ele for revolucionário de alguma forma, porque se for um “PS4/XOne like” vai ser um desastre completo.

      • Ela não pode manter o Wii U por mais 3/4 anos, cara.
        Se não lançar, povo até esquece dela.

        • Carlos Eduardo Galvani Nascime

          Tipo o Gamecube? :p Sinceramente, não vejo um cenário onde um console ” comum” não daria errado. Mesmo se desse certo, bem provável que lá em 2018 ou 2019 esse NX teria uma base instalada igual ao do Wii U, se ele contnuar nesse ritmo. Enfim, não acho uma boa ideia..

          • Acredito que o Game Cube sofreu mais pelos acertos do concorrente (PS2, que foi um monstro), doq por seus erros (ele foi um bom console).
            O Wii U já não vende mais, e eu não vejo essa geração atual como “no meio”…. a passada durou quase 2 anos, essa geração tem chão ainda. Erro vai ser ela ficar mais 6 anos com o Wii U sem vender nada. Uma geração nova de jogadores pode aparecer sem entender a relevância da Nintendo.

    • Henrique Tavares

      Mas o ponto disso não era sobre anunciar Zelda em um ano e lançar no mesmo? Não conta o anúncio do Zelda de 2014?

      • Lukas Tavares

        Acho que com tantos remakes que eles fizeram e os jogos pequenos tbm, acabou que atrasou o lançamento do zelda novo. Creio que eles queriam lançar esse ano, mas ano que vem Zelda completa 30 anos, por isso acho que eles decidiram adiar o título…

        • Henrique Tavares

          Também acho que o adiamento foi bem mais estratégico do que necessariamente por motivos de desenvolvimento do produto.

  • Power Otaku-Kun

    Saiu até fumaça dos meus ouvidos depois que tirei o fone ao acabar de escutar esse podcast XP

  • Só queria registrar que fiquei irritada com essa palhaçada de decompor o próximo Fire Emblem em três jogos. Perdi bem o interesse =/ (o que é uma pena, porque gosto muito da franquia)

    • Carlos Eduardo Galvani Nascime

      Eu ainda não entendi essa parada. Se você jogar uma das versões vai ser um jogo completo, com uma história contada de duas formas diferentes ou um vai ser continuação do outro?

      • Cada jogo é completo em si. Birthright e Conquest são cada lado de uma mesma história, pelo que eu entendi. O Revelations é meio que um complemento, algo a mais pra enriquecer aquele ambiente.

        • Pelo que eu entendi (posso estar completamente errado), meio que ta rolando uma guerra entre 2 exércitos. Cada um dos jogos você vai jogar com um desses exércitos, ou seja, ver os 2 lados da história.
          É uma ideia bacana, mas dava para implementar em UM jogo.

          • Concordo, Bonatti =/

          • É como se vendessem a campanha da Claire e do Leon em RE2 em dois jogos diferentes…

          • Carlos Eduardo Galvani Nascime

            Acho que tudo depende do conteúdo que vai ser entregue. Se eles entregarem realmente dois Fire Emblem, com conteúdo tão grande quanto os últimos pra cada um, acho que faz sentido. Já RE2 não acho que valha a comparação porque apesar dessa separação o jogo não tem mais conteúdo ou narrativa que o primeiro. Foi só um jeito diferente de contar a história. Seria bizarro um RE2 – Leon vendido a preço cheio com, sei lá, 3 horas de jogos. Assim como seria bizarro um Fire Emblem vendido com metade do conteúdo a preço cheio, mas acho que não é o caso.

    • Eu fiquei bem chateado também… até achei que esse ia ser o jogo que ia me fazer voltar a jogar 3ds… mas agora estou pensando duas vezes…

    • Caio C

      Sério? Eu achei até bem barato pegar um por 40 dólares e outro por 20.

      • Sério =/ Achei totalmente desnecessário isso. Não vejo justificativa pra repartir a história desse jeito. Parece Pokémon e eu, particularmente, não gosto desse formato, isso de precisar de dois jogos para ter tudo ou a obrigação de socializar. O custo realmente pode estar ok, mas por que pulverizar as possibilidades de experiência? Por que não entregar isso em uma coisa só. Por exemplo, no FE: Sacred Stones do GBA haviam dois caminhos pra seguir e está tudo no mesmo cartucho. Talvez seja um pouco de exagero da minha parte, mas vejo isso quase como precisar comprar dois Mass Effects diferentes por conta dos caminhos de Paragon e Renegade. É complicado usar um jogo que não joguei como exemplo, mas é a analogia que consegui fazer melhor. Eu tava bem empolgada pra esse FE novo, mas não consigo ver a necessidade de fazer essa separação, então acabei desanimando. 🙁 Não vou bater o martelo que não vou comprar – no calor da irritação eu falei isso pra mim mesma várias vezes – já que gosto muito desses jogos, mas o meu interesse caiu bem 🙁

        • Eu acho essa mecanica uma boa pra Pokemon, mas o jogo sempre foi isso. FE nunca precisou disso, não vejo motivo tb.

          • Caio C

            Na real eu vejo um motivo: vendas melhores. O jogo foi o primeiro a usar disso e já é o Fire Emblem mais vendido de todos no Japão. E não duvido muito superar o Awakening quando lançar no ocidente.

        • Caio C

          Ah, sei lá. Não me incomodei com isso porque vou pros EUA ano que vem e devo pegar a edição especial com 80 dólares mas pode ser que eu não esteja incomodado por causa da viagem. haha

          Mas enfim, acredito que essa seja uma estratégia pra conseguir vendas melhores que as do Awakening que foi verdadeiramente o primeiro sucesso mundial.

  • Alexis D. Oliveira

    Acho que cês tem que jogar Star Fox Adventures de novo, pq ele nem é tão bom quanto eu gostaria que ele fosse.
    Vai um vídeo pra refrescar a memória. 🙂
    https://www.youtube.com/watch?v=8LPQ6nT4UpA

    • Atos Ferreira Machado

      Acho que uma sequência mais decepcionante que essa só o Banjo Kazooie: Nuts & Bolts.

      • Alexis D. Oliveira

        Nem me lembre desta aberração! E eu (assim como muita gente) fui iludido na época depois de ter visto aquele primeiro trailer do Banjo & Kazooie “next gem” e em algum momento do processo de desenvolvimento alguém teve a maravilinda ideia de colocar carros no jogo.

    • O problema mesmo é que a galera estava sedenta por uma evolução do star fox 64 e o adventures foi pra um local completamente diferente. E pros fãs dos jogos anteriores foi pior ainda porque a parte de vôo é um cocô fumegante com milho. Na verdade o jogo é um Zelda peludo como o Márcio disse, e parece que a culpa é do Miyamoto mesmo.

      Eu zerei o jogo umas 10 vezes (eu amava esse jogo quando eu era adolescente). E claro que ele tem muitas ressalvas (tipo ser completamente desnecessário mudar o vilão para o Andross no fim), mas no que se propõe o jogo é bom. Ao menos na minha opinião… Quem sabe eu não faço um post a respeito =)

      • Carlos Eduardo Galvani Nascime

        O principal problema desse jogo é se chamar Star Fox. E nem era pra ser Star Fox, e sei lá porque acharam que botarem esse nome seria uma boa idéia.

      • Alexis D. Oliveira

        Sim, eu gostava bastante desse jogo quando eu era um jovem mancebo. Zerei essa budega uma penca de vezes também (não tinha muitos jogos de GC). Mas eu tive a oportunidade de joga-lo recentemente cara, e tirando a parte dos gráficos que eu ainda continuo achando bem bonitos, existem certos aspectos no gameplay que já não me animam muito como o combate e a falta de criatividade nos inimigos.

  • Henrique Tavares

    Eu tenho fé de que a Nintendo vai lançar o Zelda do Wii U em 2016 por motivos de: 30 anos da franquia. Nem a nintendo pode ter um timing tão quebrado assim.

  • O Link mulher está dentro da regra 63 -> http://desciclopedia.org/wiki/Rule_63
    Pra quem quiser -> http://rulesoftheinternet.com/index.php?title=Main_Page

  • Rafael Bard

    O pessoal da Monolith é muito foda e dificilmente fazem algo infantiloide (o que vi como infantiloide e é um saco foi Xenosaga 2). Um exemplo disso é o universo absurdamente rico de Xenogears, que depois inspirou Xenosaga. Não sei quanto a Xenoblade, mas eu confio na monolith.

    • Carlos Eduardo Galvani Nascime

      Tem um trailer da história, pra quem tiver interesse:

      https://www.youtube.com/watch?v=WEonVwdgVYc

      • Rafael Bard

        Quase a mesma coisa que se vê nos outros Xeno. O mais impressionante é que eles sabem construir universos de forma muito rica mesmo. O Xenogears pra você entender totalmenteo que está rolando, é necessário ler um livro (Xenogears Complete Works). Nesse livro você lê sobre toda a estrutura social, econômica, religiosa e bélica de cada canto do universo. E não duvido que toda essa riqueza esteja em Xenoblade também

  • Lone Player

    Parabéns pelo começo do cast falando sobre a Nintendo Direct.

    Abraço.